6 de janeiro de 2019

Revista CINTURÃO NEGRO (Dezembro, Novembro - 2018)

Revista internacional de Artes Marciais, Desportos de Combate e Defesa Pessoal

CINTURÃO NEGRO - Edição Quinzenal

Clique no nº da revista para ler online ou fazer download


Dezembro, nº372 - 2018





Dezembro, nº371 - 2018





Dezembro, nº370 - 2018






Dezembro, nº369 - 2018





Revista Gratuita Cinturão Negro


20 de dezembro de 2018

OS 10 ESQUEMAS MAIS POPULARES PARA BURLAR TURISTAS

São inúmeros os esquemas para burlar turistas um pouco por todo o mundo. É importante conhecer previamente alguns para evitar tornar-se numa vítima na sua próxima viagem.


Não são raros os episódios de turistas que foram burlados em viagem, de várias formas e feitios. Algo que se entende na realidade, já que é fácil ser apanhado desprevenido quando se acabou de chegar a um destino novo, com uma cultura e costumes diferentes, e quando ainda se está a habituar a um novo ambiente.

Esquemas como taxímetros supostamente avariados, pulseiras gratuitas ou bilhetes falsos para transportes são apenas alguns dos muitos que são praticados um pouco por todo o mundo. Descubra abaixo 10 dos esquemas mais populares para enganar turistas para assim evitar ser mais uma vítima dos burlões.

• Pulseiras ou Outros Objectos Gratuitos ‒ O turista é abordado por um local que lhe oferece uma pulseira ou outro objeto similar como símbolo de boa sorte. Assim que a pulseira é aceite, é-lhe exigido dinheiro. Quando o turista recusa e tenta devolver a pulseira, o local faz um escândalo em público.
Como evitar: Não aceite quaisquer ofertas de estranhos, especialmente em zonas extremamente turísticas.

• Atração Turística Fechada ‒ Um local aproxima-se de um turista e informa-o, com uma abordagem muito simpática, que a atração que ele pretende visitar está fechada. Oferece-se depois para o levar para uma outra atração onde acaba por ser pressionado a comprar alguma coisa.
Como evitar: Não acredite prontamente na informação que lhe é dada e confirme por si mesmo junto da bilheteira da atração que pretende visitar.

• Taxímetro Avariado ‒ Um esquema muito comum em vários países em que o taxista impõe um preço fixo absurdamente elevado para a viagem, justificando com o facto do taxímetro estar avariado.
Como evitar: Certifique-se de que o taxímetro está a funcionar antes de entrar no táxi ou negoceie previamente o preço da viagem.


Ligações WI-FI Falsas ‒ São criadas ligações gratuitas de Wi-Fi em locais públicos, através das quais os hackers têm acesso a todas as informações pessoais de quem as usa, como passwords e contas online.
Como evitar: Procure sempre usar as ligações de WI-Fi oficiais do local onde se encontra.

Hotel Sobrelotado ‒ O taxista informa que o hotel em questão é muito mau, que está fechado ou sobrelotado, a caminho do destino, convencendo o turista que lhe consegue arranjar outro hotel melhor. Normalmente o taxista recebe uma comissão por levar turistas para esse determinado hotel.
Como evitar: Certifique-se previamente que está tudo certo com a sua reserva e/ou pergunte ao hotel se disponibiliza transporte.

Ofertas Para Tirar Fotos de Grupo ‒ Um local muito simpático aproxima-se de um grupo de turistas oferecendo-se para lhes tirar uma foto de grupo. Entretanto desaparece na multidão levando consigo o telemóvel ou câmara do turista.
Como evitar: Se quiser que alguém lhe tire uma foto de grupo procure por si mesmo alguém que lhe inspire confiança, de preferência outro turista.


Bilhetes Falsos para Transportes ‒ Um local oferece-se para lhe vender bilhetes de transporte a preços mais baixos ou a possibilidade de não ter de esperar na fila, comprando os bilhetes através de um agente de viagens local. Muitas vezes, o bilhete vendido acaba por ser falso.
Como evitar: Compre sempre os seus bilhetes de transporte diretamente com a companhia em questão ou através de websites oficiais.

Nódoas na Roupa ‒ Um local aproxima-se de um turista e “sem querer” despeja-lhe algo na roupa, deixando uma nódoa. Desculpa-se profusamente, enquanto tenta limpar a nódoa e ao mesmo tempo rouba a carteira do turista.
Como evitar: Se isto acontecer não permita que lhe tentem limpar a nódoa, e limpe-a você mesmo.

Danos na Mota Alugada ‒ Este é um esquema bastante comum no Sudeste Asiático. O turista aluga uma mota e ao devolvê-la, o proprietário exige uma indemnização por danos causados à mota. Muitas vezes os danos são causados por amigos do proprietário.
Como evitar: Tire bastantes fotografias à mota no momento do aluguer em frente ao proprietário e faça questão de estacionar a mota em locais vigiados.


Troco Errado ‒ Um esquema frequente onde é devolvido o troco errado ao turista, especialmente em países onde as notas se assemelham muito umas às outras. 
Como evitar: Confirme sempre o troco que lhe é dado.




10 de dezembro de 2018

Compras de Natal em Paz e Segurança


Na maioria dos Centros Comerciais há um elevado e ao mesmo tempo discreto sistema de segurança que, não só envolve pessoas com formação adequada para o efeito, mas também o apoio de sofisticados sistemas eletrónicos próprios desta nossa era digital. Como consequência, o aspeto da segurança aliado ao conforto proporcionado por uma grande e diversificada oferta comercial, acaba por estar na base de um aumento, cada vez maior, de pessoas a estas grandes superfícies. Especialmente em determinadas alturas do ano, como é o caso das festividades natalícias. O facto é que o cidadão, pelo menos em termos de segurança, sente-se assim mais tranquilo do que nas lojas do comércio tradicional.


Apesar da segurança inerente a esses locais e de não haver um registo relevante de crimes, eles não estão isentos de problemas. A realidade é que os furtos, os roubos e outros conflitos de natureza criminosa também existem nesses espaços.   

Para não ser alvo de uma experiência desagradável é importante observar alguns cuidados a ter quando vai fazer compras a locais com grande concentração de pessoas. Em termos de autodefesa, a sua maior arma (e também a da sua família) é a PREVENÇÃO. Ou seja, a capacidade de se antecipar a situações potencialmente perigosas.

Os comportamentos de segurança que vai observar são para serem colocados em prática com a dose adequada de bom senso. Não precisa de se transformar num fanático da segurança. Apenas precisa saber que em determinadas situações deve atuar preventivamente e com sabedoria.


Assim, tome nota:

                                                         
Roupas e objetos Procure vestir-se de forma simples. Evite usar relógios caros e joias que despertem a atenção de olhos indiscretos. Leve apenas os documentos necessários. Se possível, prefira uma pequena bolsa tipo mochila (que deve ficar na frente e não nas costas) com alças seguras.

Tenha cuidado com o seu telemóvel. Não ande com ele pela mão como uma criança. E já agora, não fique vulnerável quando está a falar ao telefone, não se desligue do mundo. Para além de si e da pessoa com quem está a falar, existe mais vida…e que vida!!! (O mesmo se aplica quando ouve música com os auriculares nos ouvidos)

Compras – Evite ao máximo a utilização de dinheiro em espécie. Prefira pagar as suas contas com cartão. Separe uma quantia de dinheiro para pequenas compras como café, transportes, etc.
  Antecipe as suas compras para dias e horários de menor movimento.

Andar nas ruas – Quando estiver a andar nas ruas, verifique se está sendo seguido ou observado por alguém. Se achar que está nessa situação, inverta o sentido do seu percurso ou entre num estabelecimento qualquer. Evite também passar perto de aglomerações e grupos suspeitos. Se necessário, passe para o outro lado da rua.

● Multibanco – Se tiver que levantar dinheiro seja prudente e esteja atento ao ambiente que o cerca. Seja discreto ao guardar o dinheiro. Lembre-se: a partir desse momento não é só você que sabe que transporta dinheiro.

● Assalto à loja – Se ocorrer um assalto na loja quando você estiver às compras, não tente correr ou reagir. Obedeça a tudo que os assaltantes mandarem, assim evitará reações perigosas e eles sairão rapidamente. O máximo que você pode perder são uns trocos e os documentos que levou, além dos cartões que podem ser rapidamente cancelados por telefone.

● Carro – Procure estacionar a sua viatura num parque, é sempre mais seguro e prático para o transporte das suas compras. Se estacionar na rua e com orientação de um arrumador deve dar sempre uma pequena gratificação. É mais seguro!!! Não é preciso lembrar, mas já agora, nunca deixe objetos de valor à vista…

Crianças – Nesta altura os Centros Comerciais estão cheios de gente e de coisas que chamam a atenção especialmente de crianças. Se está a fazer compras acompanhado de crianças, então nunca as perca de vista. Combine com eles o que devem fazer (e o que não devem fazer) no caso de se perderem. Não se esqueça que uma criança pequena deve ter sempre consigo elementos que a possam rapidamente identificar e facilitar o contacto imediato com os pais ou outros parentes. Por exemplo, um papel ou cartão com o nome a morada e o telefone.



E não se esqueça, a PREVENÇÃO é sempre a sua melhor defesa...



7 de dezembro de 2018

Cuidado com o Monóxido de Carbono… mas porquê?

Estamos naquele período em que, infelizmente, são noticiadas perdas de vida por culpa do monóxido de carbono. Quando o frio se aproxima, são muitos os alertas para que as pessoas redobrem os cuidados para manter bem longe este gás.

É um gás tóxico sem cor nem cheiro que resulta de uma combustão incompleta seja qual for o combustível. Lareiras dentro de casa, braseiras e outros equipamentos de aquecimento podem matar, em vez de só aquecer.



Quando o tempo frio se instala, as pessoas tendem a procurar meios para aquecer o ambiente, as suas casas e locais onde permanecem. Por vezes, esses equipamentos, libertam um gás tóxico, que não se vê, pouco ou nada se sente o seu cheiro, mas que mata.
Este gás pode surgir com a utilização de equipamentos mal instalados, mal regulados ou em mau estado, mas também com a utilização de braseiras, lareiras ou salamandras a lenha, em locais mal ventilados ou com exaustão deficiente. Não devemos nem podemos facilitar, há um grande perigo de intoxicação.


1. O que é o monóxido de carbono?

O monóxido de carbono – CO – é um gás tóxico, invisível, sem cheiro ou sabor e que resulta de uma deficiente combustão, qualquer que seja o combustível utilizado: lenha, carvão, gás (butano, propano ou natural), entre outros. A sua presença no ar não é preocupante desde que em níveis baixos.

É de difícil deteção e, a partir de níveis de concentração mais elevados, os seus efeitos nocivos podem manifestar-se rapidamente, levando ao aparecimento de tonturas, náuseas, convulsões, perdas de consciência e, em situações mais graves, à morte.


2. Quais as origens do perigo?

Alguns fatores estão na origem de uma acumulação excessiva de monóxido de carbono, nomeadamente:

• Interferência do funcionamento do exaustor da cozinha na correta libertação para o exterior dos gases/fumos do esquentador, caldeira, lareira,…

• Aparelhos de aquecimento ou produção de águas quentes incorretamente montadas ou em deficiente estado de conservação;

• Insuficiente renovação de ar na habitação e ausência de ventilação adequada no local onde se encontram instalados os aparelhos;

• Condutas de exaustão ou chaminés obstruídas ou mal dimensionadas não permitirão a correta exaustão dos gases/fumos.

O monóxido de carbono pode acumular-se em espaços fechados e por isso é recomendável especial vigilância em alturas de frio intenso, quando os aparelhos são mais solicitados e a ventilação do local tende a ser menor.


3. Que fazer em caso de suspeita de intoxicação?

Se sentir náuseas, dores de cabeça, tonturas, lembre-se da possibilidade de intoxicação por monóxido de carbono e:

● Areje imediatamente o local, abrindo portas e janelas;

• Se possível, desligue todos os aparelhos de combustão (Exemplo: esquentadores, caldeiras, aquecedores móveis a gás ou petróleo, lareira…). Se estiver em funcionamento, desligue igualmente o exaustor da cozinha;

● Abandone o local;

• Se alguém estiver com sintomas de intoxicação, contacte o Centro de Informação Antivenenos 808 250 143 (24 horas por dia). Em casos graves contacte o 112, para solicitar assistência às vítimas;

● Contacte uma empresa credenciada para a resolução do problema.



4. Como evitar o monóxido de carbono?

Com vigilância e gestos simples:

• Solicite inspeções periódicas à sua instalação de gás que deverão se realizadas por uma entidade inspetora credenciada pela DGEG.

●A montagem dos aparelhos de queima deve ser sempre efetuada por uma empresa credenciada (consulte a lista de empresas instaladoras/montadoras e das entidades inspetoras credenciadas pela DGEG, em www.dgeg.pt.);

• Solicite a verificação periódica do funcionamento destes aparelhos;

● Mantenha a sua habitação arejada e nunca obstrua as entradas de ar;

• Promova a limpeza das condutas de exaustão e chaminés, uma vez por ano;

●Se o seu edifício tem instalado um sistema coletivo de extração mecânica, assegure a manutenção e a limpeza periódica da respetiva rede de ventilação e exaustão. Garanta ainda que este se encontra sempre em funcionamento. Caso este sistema tenha que ser temporariamente desligado (por avaria ou manutenção), garanta que não são utilizados os respetivos aparelhos de queima.


5. Não utilize para aquecimento:

• Braseiras, em locais não ventilados.


6. Podem ser indícios da presença de monóxido de carbono no ambiente:

● Coloração permanente amarela ou laranja na chama, em vez de azul;

• Aparecimento de manchas nas condutas de evacuação ou junto a estas, ou descoloramento de aparelhos;

● Alterações de comportamento ou mesmo morte de pequenos animais de estimação.









Fonte: pplware



6 de dezembro de 2018

Cartão de Emergência: útil e gratuito

O INEM e as Forças de Segurança desenvolveram um cartão de identificação de emergência para turistas e residentes estrangeiros em Portugal. Saiba como funciona.




Era preciso melhorar a comunicação entre cidadãos estrangeiros, autoridades e serviços de emergência. Assim nasceu o Cartão de Emergência. É útil e gratuito. Quer saber como funciona?

O que é? O Cartão de Emergência é um documento - desenvolvido pela Associação Safe Communities Portugal, em colaboração com o Instituto Nacionalde Emergência Médica (INEM), a Polícia de Segurança Pública (PSP) e a GuardaNacional Republicana (GNR) -  que reúne informação útil, como os dados pessoais e de saúde, para ajudar as equipas de socorro em situações de emergência.

Para quem? − O documento destina-se a cidadãos estrangeiros, em férias ou a residir em Portugal, mas pode ser utilizado por qualquer cidadão nacional.

Como obter? − Se estiver interessado em utilizar o Cartão de Emergência, pode obtê-lo de forma imediata e gratuita. Só tem de descarregar o documento em PDF, na página de internet de uma das entidades envolvidas nesta iniciativa.

Como utilizar? − Deve preencher os dados pessoais diretamente no cartão: nome; idade; residência; autoridade policial da sua zona de residência; nacionalidade; estadia em Portugal e pessoa a contactar em caso de emergência. Do lado da informação médica, deve preencher: seguradora; doenças; alergias e medicação.

Depois da informação estar completa, só tem de imprimir e guardar o cartão na carteira que anda sempre consigo, para que seja facilmente encontrado quando for necessário. “Em caso de emergência vai falar por si”.

Um alerta − Este documento não substitui o documento de identificação, mas funciona como informação útil e adicional àquela que está no cartão do cidadão, por exemplo.


O cartão não é obrigatório, mas prevenir nunca é demais. Proteja-se.





4 de dezembro de 2018

Perdeu os seus documentos? Proteja-se e comunique ao Banco de Portugal

Se perdeu os seus documentos de identificação, além das autoridades policiais, comunique a informação ao Banco de Portugal (BdP) e proteja-se da utilização abusiva dos seus dados.


O BdP explica que no caso de perda de documentos como o cartão de cidadão, do cartão de contribuinte, do passaporte ou título de residência, é importante comunicar ao regulador, que irá informar gratuitamente o sistema bancário da situação.

Ou seja, desta forma, os bancos poderão ficar alerta para agir, “caso alguém tente em seu nome e utilizando os seus documentos, fazer uma operação financeira ilícita”.

Poderá notificar o BdP através do portal do cliente bancário, nos postos de atendimento do BdP ou por carta, devendo apresentar o auto ou a declaração emitida pela entidade policial à qual apresentou queixa.

“Lembre-se, quando recuperar ou tiver substituído os documentos perdidos volte a contactar o BdP. Nós notificaremos o sistema bancário dessa alteração”, salienta o regulador.

No entanto, este serviço não se destina a comunicar a perda de cartões bancários ou de cheques.

“Nestas situações, os respetivos titulares devem contactar, com a brevidade possível, a entidade emissora desses meios de pagamento. No caso dos cartões bancários, pode consultar a lista de contactos dos respetivos emissores na informação relacionada no final da página”, identifica.



21 de novembro de 2018

História real de uma tentativa de burla com a plataforma MB WAY


Desenvolvida para simplificar a vida dos utilizadores, a plataforma MB WAY permite a realização de compras e transferências bancárias imediatas com total comodidade e segurança, já que o utilizador pode fazê-lo através do seu telemóvel, a qualquer hora do dia e onde quer que esteja, sem que tenha de partilhar os seus dados bancários. No entanto, há quem se queira aproveitar destas novas “tecnologias” e, em Portugal, há relatos de que o MB WAY está a ser usado para roubar dinheiro. Conheça o esquema usado pelos mafiosos e saiba o que fazer pela sua segurança.



Este artigo serve essencialmente para alertar os cibernautas dos perigos que se escondem em cada esquema ardilosamente montado para apanhar os incautos.
O que descrevemos a seguir é um caso real de um esquema que está ativo em Portugal e que pretende criar dano roubando as pessoas, através da engenharia social e a pertinente inexperiência dos utilizadores neste tipo de situações.


Burla com recurso à plataforma MB WAY

José, nome fictício do nosso visitante e protagonista do sucedido, colocou um produto à venda no OLX por algumas centenas de euros. Poucas horas depois da publicação do anúncio já estava a ser alvo de uma tentativa de burla por SMS.

O diálogo começou com a troca normal de mensagens, questões sobre o produto e assuntos relacionados. Contudo, José conta que, ao contrário do habitual, o “comprador” não demonstrou pressa em receber o produto anunciado – só mais tarde se encarregaria de o mandar levantar e transportar até Sines (onde diz morar). O que realmente demonstrou foi uma “estranha” pressa em pagar! A sua grande preocupação era pagar… situação sui generis neste tipo de transações “fora da vista”.

O pretenso comprador, depois de sondar o vendedor, o José, propunha-se a pagar utilizando o sistema MB WAY. Para isso pediu ao José que lhe enviasse os (seus) códigos do cartão! José rejeitou e insistiu que o pagamento fosse feito por transferência bancária.

Após fornecer-lhe o IBAN, o burlão diz-lhe que já realizou a transferência mas que, para que a mesma se efetivasse, José teria de ir ao Multibanco, inserir o cartão, e selecionar a opção MB WAY/MB NET e introduzir os dados que se apressou a fornecer.


E que códigos eram esses? O seu nº telemóvel e um código que o próprio burlão indicou. Isto é, nem mais nem menos: usando o cartão de débito do José, queria ludibriar o mesmo a associar o telemóvel do burlão, com o código por ele escolhido!



Para não ter de esperar muito, o burlão informou que José tinha 30 minutos para ir ao Multibanco.


Armadilha armada… agora restava esperar pela presa!

Se José caísse na armadilha, o burlão teria a capacidade de tirar dinheiro da sua conta, dentro dos limites de segurança impostos pela entidade gestora (SIBS). Após desconfiar do que estava a acontecer, José tentou saber mais deste larápio… foram, segundo José, 64 mensagens trocadas e alguns dados recolhidos que serão enviados às autoridades competentes.

Fiquem atentos, partilhem a informação para aumentar o conhecimento de como (tão simplesmente) funcionam estas burlas. Obviamente que não devem fornecer qualquer tipo de dados a “estranhos”. Se já o fez, é melhor verificar os seus movimentos e informar a polícia.

Fonte: pplware