13 de novembro de 2019

Estão a aumentar as burlas através do MB Way



A Polícia de Segurança Pública (PSP) informou esta semana no Facebook que “tem vindo a detetar um aumento de ocorrências relacionadas com burlas através do MB WAY, especialmente em 2019”.

“Existem 99 registos referentes a burlas deste género em 2018, no nosso Sistema Estratégico de Informação. Em 2019, até dia 31 de maio, já existiam 135 registos”, anunciou a PSP.

Fruto da investigação e análise do Departamento de Investigação Criminal a PSP diz que a investigação e análise do Departamento de Investigação Criminal identificou um modus operandi: “ainda que haja algumas variações, consiste no aproveitamento feito aos anúncios que as vítimas colocam online para venda de objetos em sites dedicados a este tipo de comércio (OLX, CustoJusto, entre outros). Posteriormente, são contactados telefonicamente por supostos compradores – os burlões, que mostram interesse naquela compra. Na sequência desse contacto, os burlões convencem as vítimas a dirigirem-se a um ATM para, supostamente, efetuarem o pagamento do objeto via MB WAY. Quando conseguem enganar a vítima, aproveitam o desconhecimento que a vítima possui sobre a aplicação MB WAY e, através de indicações enganosas sobre os procedimentos a adotarem, conseguem aceder à conta bancária da vítima e fazer vários levantamentos e compras de forma ilegítima.”

“A vítima, é, assim, levada a introduzir no ATM o número de telemóvel do suspeito e o fornecimento do respetivo código, associando-o ao seu cartão de Multibanco, convencida de que são os procedimentos próprios para receber o pagamento através do MB WAY, acabando por cair na armadilha. Convencida de que está a ajudar o potencial comprador a pagar o objeto está, efetivamente, a dar-lhe a capacidade de acesso à conta que está associada ao seu cartão de Multibanco, permitindo assim os levantamentos indevidos da sua conta bancária”, pode ler-se no alerta da PSP.

Assim, a PSP recomenda:

1. Se não compreende o funcionamento da aplicação MB WAY, recuse o pagamento por esta via;
2. Em caso de dúvida, solicite informação ao seu Banco sobre o funcionamento do MB WAY antes de o utilizar;
3. Tente sempre fazer os negócios de forma presencial se estiver na mesma área geográfica do comprador;
4. Tente receber os pagamentos presencialmente ou através de transferência bancária;

5. Nunca siga instruções de desconhecidos para fazer pagamentos por MB WAY.


15 de outubro de 2019

Revista CINTURÃO NEGRO ( Outubro, Setembro, Agosto - 2019)

Revista internacional de Artes Marciais, Desportos de Combate e Defesa Pessoal

CINTURÃO NEGRO - Edição Quinzenal

Clique no nº da revista para ler online ou fazer download


• Outubro391 - 2019 





• Outubro390 - 2019 





• Setembro389 - 2019




• Setembro388 - 2019






• Agosto387 - 2019





• Agosto386 - 2019





Revista Gratuita Cinturão Negro




28 de setembro de 2019

OS 10 PAÍSES MAIS PERIGOSOS PARA SE SER MULHER


A Índia é o país mais perigoso do mundo para se ser mulher. Os Estados Unidos da América integram o Top 10. Em 2018, a Fundação Thomson Reuters realizou um estudo sobre os países mais perigosos para as mulheres. O relatório aponta que uma em cada três mulheres sofre de violência física ou sexual em todo o mundo. O casamento infantil ainda é uma realidade, com quase 750 milhões de meninas casadas antes dos 18 anos. Na maioria dos casos, as crianças acabam por engravidar e colocar a sua saúde em risco. 



1.ÍNDIA Violência sexual e tradições colocam a Índia em primeiro lugar  De acordo com o relatório da Fundação Thomson Reuters, a Índia é o pior país para uma mulher viver. Entre os principais motivos estão a violência sexual, o tráfico para trabalho doméstico, trabalho e casamento forçados e a escravidão sexual.

A pesquisa, realizada entre março e maio, foi feita por 550 especialistas em questões sobre mulheres, da Europa, África, América, Sudeste Asiático, Sul da Ásia e Pacífico.

Para o estudo, os profissionais entrevistaram académicos, equipas de saúde, trabalhadores de Organizações Não-Governamentais, responsáveis políticos e comentadores sociais.

A Índia foi também classificada como a mais perigosa devido às práticas culturais e tradicionais, como os ataques com ácido, o casamento infantil e a mutilação genital feminina.

A história de Laxmi Saa é apenas uma de muitas. A jovem indiana foi atacada com ácido depois de ter recusado casar-se com um homem de 32 anos. Laxmi tinha apenas 15 anos. Em 2016, foi protagonista de uma campanha para a marca de roupa Viva N Diva, com o objetivo de mudar os padrões de moda e beleza da sociedade.

A menstruação também é vista como um tabu pelos indianos. Há quem acredite que as mulheres menstruadas são impuras e, por isso, milhares de mulheres submetem-sea histerotomias para poderem trabalhar.

Casos como estes fizeram com que o país fosse várias vezes manchete por crimes de violência sexual contra mulheres.

Em Resumo: A Índia lidera o ranking como o país mais perigoso para as mulheres. Ocupa o primeiro lugar em três aspetos: risco de violência sexual e assédio contra as mulheres, perigo em práticas culturais e risco de tráfico de pessoas.



2. AFEGANISTÃO – Os especialistas dizem que as mulheres ainda enfrentam problemas graves 17 anos após a deposição do Taliban. É considerado o país mais perigoso em termos de violência não sexual, cuidados de saúde e discriminação. Foi acusado pelas Nações Unidas de permitir que a brutalidade generalizada de género fique impune.


3. SÍRIA − É o terceiro país mais perigoso para as mulheres, após sete anos de uma guerra civil que matou 510.000 sírios. Com 5,5 milhões de pessoas a viver em campos de refugiados, ocupa a segunda posição dos países com menos acessos à saúde e com mais violência não sexual.


4. SOMÁLIA − O país está em conflito desde 1991 e, segundo as Nações Unidas, metade da população precisa de ajuda humanitária. As práticas tradicionais e culturais são um risco constante para as mulheres. A Somália foi classificada o terceiro país com menos acessos a cuidados de saúde e ocupa a quinta posição no acesso a recursos económicos.


5. ARÁBIA SAUDITA − Embora ocupe a 5ª posição no geral, o reino conservador foi considerado o 2º país mais perigoso em termos de acesso económico e discriminação, inclusive no ambiente de trabalho e em termos de direitos de propriedade. Apesar das iniciativas para aumentar a participação feminina no trabalho, continua a ser alvo de críticas pela prisão de ativistas dos direitos das mulheres. O país está classificado como o segundo pior em termos de acessos a recursos económicos e discriminação.


6. PAQUISTÃO − O Paquistão encontra-se na sexta posição, mas ocupa a quarta em termos de recursos económicos, discriminação e tradições culturais e religiosas. Uma em cada três paquistanesas sofre de violência física por parte dos maridos e centenas são mortas por membros da família todos os anos.


7. REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DO CONGO − Milhões de pessoas enfrentam péssimas condições de vida após anos de guerra. A RDC ocupa a segunda posição no que diz respeito à violência sexual, com as Organizações Não Governamentais a sublinhar que 2018 foi o pior ano em termos de abusos sexuais contra mulheres e crianças.


8. IÉMEN − Ocupa a oitava posição devido aos maus acessos a cuidados de saúde e a recursos económicos, ao risco das tradições culturais e à violência sexual. O país está a enfrentar a crise humanitária mais urgente do mundo: há 22 milhões de pessoas a precisar de cuidados básicos.


9. NIGÉRIA − Grupos de direitos humanos acusam os militares do país de torturarem, violarem e matarem milhares de civis durante o confronto de nove anos contra militantes do Boko Haram. Mas o país destaca-se pelo tráfico humano, categoria em que ocupa a quarta posição. Todos os anos, milhares de nigerianas são enviadas para a Europa e exploradas sexualmente.


10.ESTADOS UNIDOS − O décimo lugar vai para… os EUA. A fechar a lista dos dez países mais perigosos do mundo para se ser mulher encontram-se os EUA. O país que foi palco e impulsionador dos movimentos #MeToo e Time’s Up, contra o assédio e violência sexual, surpreendeu os especialistas ao integrar este ranking. É o único país ocidental mencionado no relatório.
Em 2017, várias atrizes denunciaram casos de abuso sexual contra figuras de topo de Hollywood e o caso do antigo produtor Harvey Weinstein foi paradigmático. Weinstein foi acusado de assédio sexual e violação por dezenas de mulheres e a onda de denúncias deu origem ao movimento #MeToo. O cofundador dos estúdios Miramax e da Weinstein Company será julgado a 6 de janeiro de 2020.



Ranking por categoria

CUIDADOS DE SAÚDE
Inclui acesso geral a optometristas, dentistas, médicos de clínica geral e médicos especialistas.



VIOLÊNCIA SEXUAL
Inclui violação por parte de um estranho ou do parceiro, assédio ou pressão sexual e falta de acesso à justiça nesses casos.



DISCRIMINAÇÃO
Inclui discriminação no trabalho, direitos territoriais, de propriedade ou herança, falta de acesso à educação e alimentação adequada.



VIOLÊNCIA NÃO SEXUAL
Inclui abuso doméstico, físico e mental.



TRADIÇÕES CULTURAIS
Inclui ataques com recurso a ácido, mutilação genital feminina, casamento infantil, casamento forçado, abuso físico e infanticídio feminino.



TRÁFICO HUMANO
Inclui servidão doméstica, trabalho e casamento forçado e abuso sexual.







2 de setembro de 2019

Estudo: E se o femicídio tiver um padrão?


Há etapas comportamentais comuns nos homens que matam as companheiras – e isso pode ajudar a polícia a prevenir mais mortes, avança investigadora britânica. "Só contabilizando o ano de 2017, o número de mulheres mortas por antigos e atuais parceiros é qualquer coisa como 30 mil"


Os dados são da especialista em criminologia Jane Monckton Smith, que encontrou um padrão de oito etapas em 372 mortes por violência doméstica ocorridas nos últimos anos no Reino Unido. Professora universitária, em Gloucester, Monckton Smith está agora esperançosa que, ao conhecerem-se alguns dos comportamentos comuns, seja possível identificar melhor o risco de alguém ser morto pelo companheiro. E isso é tanto mais importante quando sabemos que, a nível mundial, e só contabilizando o ano de 2017, o número de mulheres mortas por antigos e atuais parceiros é qualquer coisa como 30 mil – os dados são da BBC.

Para conduzir o seu estudo, a investigadora analisou os casos elencados no site Counting Dead Women, o equivalente local ao nosso Observatório das MulheresAssassinadas, da UMAR, em que a mulher assassinada mantinha qualquer tipo de relacionamento com o agressor.

Eis, então, as etapas comuns nos casos que acabaram em morte: história anterior de perseguição ou abuso por parte do perpetrador; a rapidez com que o romance se torna um relacionamento sério; o domínio através do controlo coercivo. Tornou-se ainda claro que o fim do relacionamento em que havia abuso ou o agressor sentir dificuldades financeiras incrementa o risco. O aumento da intensidade e da frequência das agressões e das táticas de controlo - como é a ameaça de suicídio - criando sentimentos de culpa na vítima devem também ser sinais de alarme.

Os passos seguintes são, em boa parte dos casos analisados, a mudança de estratégia do agressor que, movido pela vingança, arranja armas e passa a procurar oportunidades em que possa encontrar a vítima sozinha. Até que passa ao ato, muitas vezes envolvendo outros familiares próximos, como os pais ou filhos da companheira.

Contamos demasiadas vezes a versão do caso de amor que, num determinado momento passa o limite – e isso simplesmente não é verdade”, insiste Monckton Smith. “Ao olharmos para todos estes casos, o que encontramos é planeamento e controlo coercivo.”

A história de Alice Ruggles, que recentemente emocionou o Reino Unido, mostra bem como decorre esta escalada. Assassinada pelo ex-namorado em 2016, aos 24 anos, Alice apresentou queixa inicialmente por perseguição. Tinham-se conhecido um ano antes, no Facebook, e a ligação continuou, apesar do namorado, o soldado Trimaan Dhillon, 26 anos, estar em serviço no Afeganistão. Até que o agressor invadiu o apartamento da vítima, próximo de Newcastle. Trimaan ainda alegou que Alice caiu sobre a faca que ele tinha na mão, durante a discussão. Acabou condenado a 22 anos de prisão. O juiz não hesitou em declarar que fora um ato de barbaridade pura.

Tudo poderia ter sido diferente se a polícia já conhecesse o modelo-padrão e a escalada comum à maioria dos casos com este desfecho”, comentou já o pai de Alice, Clive Ruggles. “Havia uma história de perseguição e de controlo. Os sinais de alerta estavam todos lá.”

A análise retrospetiva da situação – como acontece cá, desde 2016, nos casos já transitados em julgado – concluiu que as autoridades do exército não valorizaram uma acusação anterior de violência doméstica, contra Dhillon, registada em Kent. “A informação não foi comunicada à polícia. Alice não fazia ideia. Nenhum de nós fazia ideia...”, lamenta ainda o pai da jovem assassinada, a assumir que nunca imaginara tal risco quando a filha começou a ser perseguida.

A apresentar o seu modelo a advogados, psicólogos e forças políciais, Monckton Smith espera ainda que o facto de o seu estudo ter sido publicado no ViolenceAgainst Women Journal ajude a uma divulgação mais ampla.

Assim”, remata a especialista, “tanto vítimas como os profissionais de ajuda serão capazes de dizer: “o meu relacionamento está na terceira etapa” ou “este caso está no quinto passo” - e adotar uma estratégia que permita evitar o desfecho comum à grande maioria de todos estes casos.

Teresa Campos (Jornalista)


__________________________________________________________






__________________________________________________________



20 de agosto de 2019

Vai ao Multibanco? Muita atenção às burlas com skimmers

Em tempo de férias é normal que a afluência aos pontos de Multibanco seja maior! Aproveitando tal cenário, os burlões têm os mais diversos esquemas para conseguir obter “dinheiro fácil”. Um dos esquemas que continua a ser muito popular em Portugal é a clonagem de cartões usando para isso skimmers.



Se for a um Multibanco, esteja atento à existência de skimmers. A técnica é aparentemente simples e eficaz! Na ranhura onde se colocam os cartões de crédito e débito, os burlões colocam um dispositivo capaz de ler as bandas magnéticas (skimmers) e que tem também incluída uma minicâmara para registar o código PIN introduzido.

Toda a operação, por parte dos burlões, é controlada à distância uma vez que o dispositivo comunica normalmente por Bluetooth ou Wi-Fi.



App Card Skimmer Locator – deteta skimmers?

Chama-se Card Skimmer Locator e, segundo o autor, consegue detetar skimmers nas redondezas. Apesar de não ser 100% eficaz, esta app faz um varrimento ao nível do Bluetooth, em busca de dispositivos BLE (Bluetooth Low Energy).


Mais eficaz que a app é sempre a inspeção de quem usa o Multibanco. Antes de introduzir o cartão, verifique que a ranhura faz mesmo parte do Multibanco e se não é um equipamento removível.

No caso de detetar um skimmer no Multibanco, contacte de imediato as entidades Policiais. Poderá também informar de imedaito a SIBS. De acordo com o Código Penal, a contrafação de moeda (que equivale à fraude do cartão clonado) é um crime punível por lei através do artigo 262º, nº 1.





30 de julho de 2019

Revista CINTURÃO NEGRO ( Julho, Junho, Maio, Abril - 2019)

Revista internacional de Artes Marciais, Desportos de Combate e Defesa Pessoal

CINTURÃO NEGRO - Edição Quinzenal

Clique no nº da revista para ler online ou fazer download


• Julhonº385 - 2019 




• Junhonº383 - 2019




• Junho, nº384 - 2019



• Maionº381 - 2019




• Maio, nº382 - 2019




• Abrilnº379 - 2019




Abril, nº380 - 2019




Revista Gratuita Cinturão Negro



26 de julho de 2019

Como se Proteger de Burlas e Fraudes Financeiras


Desconfie sempre de promessas de empréstimos fáceis e rápidos, de depósitos com juros muito superiores à média de mercado ou de propostas para angariar novos clientes em troca de mais dinheiro. Vamos partilhar consigo algumas dicas para se proteger de burlas e fraudes e assim manter o seu dinheiro em segurança.


Pedir um crédito, fazer uma transferência internacional de dinheiro ou usar qualquer tipo de serviço financeiro exige alguns cuidados.

Se foi vítima de algum crime ou tentativa de crime por parte de uma destas entidades, denuncie ao Banco de Portugal por telefone (213 130 000), e-mail (info@bportugal.pt) ou pelo preenchimento do formulário online ou presencialmente. Apresente também queixa às autoridades (por exemplo, à PSP, à GNR, à Polícia Judiciária ou ao Ministério Público). À entidade supervisora cabe comunicar a existência de indícios de crime (burla, usura ou outro) à Procuradoria-Geral da República. Mesmo que não tenha sido vítima de crime, se tomou conhecimento de que uma determinada entidade se dedica às atividades financeiras ilegais, não deixe de reportar essa situação ao Banco de Portugal.

● através do site do Banco de Portugal, verifique se a entidade em causa tem autorizaçãopara a operação que se propõe realizar. Basta escolher o tipo de instituição (um banco ou uma sociedade financeira, por exemplo) ou pesquisar pelo nome;
● não responda a e-mails, cartas ou mensagens com propostas de ajuda financeira que lhe ofereçam dúvidas, quer pelo conteúdo, quer pelo remetente;
● peça sempre todas as informações que considerar necessárias antes de realizar qualquer operação financeira;
● confirme se todos os procedimentos de segurança estão salvaguardados. Em caso de dúvida, não disponibilize os seus dados pessoais e bancários, especialmente se a operação financeira for online. Na dúvida, não prossiga com a operação.



As 5 burlas financeiras mais comuns em Portugal




1) Cuidado com os “falsos amigos” no Facebook − Com certeza que, ao navegar pelo seu Facebook, já encontrou mensagens colocadas em caixas de comentários alheias a “oferecer” crédito em condições aparentemente muito vantajosas. Ou, se calhar, já recebeu mensagens no “chat” de “anónimos” a oferecer-lhe este tipo de serviços.

Pode parecer puro bom senso não responder a estes “cantos de sereia” nas redes sociais, mas a verdade é que o desespero por vezes leva a melhor. Tenha, contudo, em atenção que pode sair da situação pior do que quando entrou. Isto porque, muitas vezes, depois de cair na trama são-lhes pedidos valores para tratar de custos burocráticos e taxas. Tudo começa com valores pequenos para não “assustar” o burlado. Depois, vão pedindo mais e mais, à espera que as pessoas enviem mais dinheiro.

2) Anúncios em jornais não asseguram credibilidade − Os burlões preocupados em fazer passar alguma “aura” de credibilidade às suas manobras muitas vezes utilizam anúncios de jornais. Há esquemas que usam os classificados dos jornais para oferecer crédito e a mensagem deixada procura atrair explicitamente pessoas com problemas bancários, uma vez que são aquelas que menos conseguem crédito pelas vias tradicionais.

Depois, o método funciona de maneira semelhante ao esquema que já descrevemos via Facebook. O suposto financiador pede um determinado montante para honorários, taxas e burocracias e depois desaparece.

3) É preciso muita prudência com empréstimos entre particulares Os empréstimos entre particulares (por exemplo, entre familiares) são uma prática antiga e até reconhecida legalmente. Como tal, estão oficialmente sujeitos a regras. Por exemplo, para valores entre 2.500 euros e 25 mil euros é preciso uma assinatura de um contrato preferencialmente com as assinaturas reconhecidas por um notário. Para valores superiores a este valor fica necessário um documento oficial reconhecido por um solicitador ou, em alternativa, uma escritura pública.

Recomenda-se, no entanto, que se recorra ao reconhecimento das assinaturas mesmo em valores menores, já que tal pode ser útil em termos de incumprimento. Nestes contratos as taxas de juro não podem ultrapassar determinadas percentagens.

Contudo, há sempre quem recorra a empréstimos “por debaixo da mesa” uma vez que é feito por vizinhos, amigos ou familiares. Mas tal pode levar a histórias com finais infelizes, como prestações mensais a níveis agiotas, cobranças violentas ou desentendimentos familiares.

4) O esquema da pirâmide nunca passa de moda − Aqueles que têm 40 anos ou mais lembrar-se-ão do famigerado caso da Dona Branca. O esquema funcionava nos moldes do conhecido “Esquema de Ponzi”: aqui cada qual ganha dinheiro se trouxer novos “participantes” para a roda, sendo que os novos participantes têm que pagar um determinado montante. Se a pessoa que trouxe, conseguir trazer novos participantes ganha uma pequena percentagem desse valor e assim sucessivamente.

Além de ser considerado ilegal, este esquema pode fazê-lo perder muito dinheiro. Isto porque, no início, normalmente entra-se com um valor elevado que vai sendo “amortizado” à medida que se trazem participantes novos. O problema é quando o esquema rebenta: deixa de conseguir trazer novos participantes e vê que não consegue recuperar o investimento inicial.

5) Escolha bem os e-mails a abrir − De vez em quando, todos recebemos e-mails com ofertas e promoções a preços que parecem demasiado bons para ser verdade. E o problema é que são mesmo: tão bons que é provável que se trate de um esquema fraudulento.

Outra questão é que estes esquemas podem ser bastante mais complexos do que parece à primeira vista. É preciso ter cuidado para não cair no chamado phishing. Tal consiste em enviar e-mails em massa com software malicioso (cavalos de Tróia) com o intuito de roubar dados pessoais que estão armazenados pelo utilizador do e-mail (passwords e afins). E para complicar a situação, muitas vezes estes emails fazem-se passar por instituições de crédito respeitáveis a oferecer produtos atrativos. O melhor é desconfiar e não abrir o e-mail.

A melhor forma para se afastar das más práticas que existem por aí é mesmo manter-se informado. Ler conselhos financeiros não é perda de tempo para quem quer organizar as suas contas, de forma a não contrair dívidas que não pode pagar. Importante é também comparar créditos em instituições credíveis, de modo a encontrar a opção que mais se coaduna com a sua situação.