16 de julho de 2014

CONSIDERAÇÕES SOBRE BULLYING




Descubra que recursos possui ao seu alcance para ajudar uma criança vítima de Bullying.
 


O QUE OS PAIS DEVEM SABER

O QUE SE ENTENDE POR BULLYING?

O termo inglês “bullying” pode ser traduzido, em português, por intimidação. É uma forma de violência entre pares, geralmente crianças ou jovens, com a intenção de magoar a outra pessoa.

A maioria das situações de intimidação ocorre em contexto escolar (recreios, casas de banho, refeitórios e salas de aula) ou no percurso entre a casa e a escola. Habitualmente acontece quando não existem adultos por perto. Assim, é fundamental que os pais e familiares estejam sensibilizados e aprofundem o seu conhecimento acerca deste tema.


QUAIS OS TIPOS DE BULLYING?

Verbal: chamar nomes, ser sarcástico, lançar calúnias ou gozar com alguma característica particular do outro (“gordo”; “caixa de óculos”; “trinca-espinhas”)

Físico: puxar, pontapear, bater, beliscar ou outro tipo de violência física

Emocional: excluir, atormentar, ameaçar, manipular, amedrontar, chantagear, ridicularizar, ignorar

Racista: toda a ofensa que resulte da cor da pele, de diferenças culturais, étnicas ou religiosas

Cyberbullying: utilizar tecnologias de informação e comunicação (Internet ou telemóvel) para hostilizar, deliberada e repetidamente, uma pessoa, com o intuito de a magoar


ALGUNS SINAIS DE BULLYING:

A criança que está a ser vítima de bullying pode:

• Estar assustada ou não ter vontade de ir para a escola
• Apresentar fracos resultados escolares
• Isolar-se
• Começar a gaguejar
• Mostrar angústia
• Deixar de comer
• Tornar-se agressiva
• Deixar de ter as suas economias (ou estas irem desaparecendo)
• “Perder”, constantemente, o almoço ou outros bens
• Começar a roubar dinheiro
• Ter medo de falar sobre o que se está a passar
• Ter pesadelos
• Tentar fugir
• Tentar o suicídio

Estes sinais podem indicar outro tipo de violência, contudo, o bullying deve ser tido em consideração.

As manifestações são diferentes de criança para criança, podendo, nalguns casos, ser pouco visíveis ou mesmo passarem despercebidas, sem que isso signifique menor gravidade.


MITOS E REALIDADES

Mito: O Bullying é uma fase que faz parte da vida. Todas as crianças conseguem ultrapassar essa fase.
Realidade: O bullying não é “normal” ou um comportamento socialmente aceitável. Aceitar tal comportamento é conferir mais poder aos/às intimidadores/as.

Mito: Se a criança ou jovem contar a alguém, será pior, uma vez que a intimidação aumentará.
Realidade: Estudos demonstram que o bullying só pára quando os adultos e pares são envolvidos.

Mito: O bullying é um problema da escola e só os/as professores/as é que se devem preocupar.
Realidade: O bullying é um problema social que, por vezes, pode ocorrer, também, fora da escola, nomeadamente na rua, centros comerciais, campos de férias e, mesmo, com adultos, nos locais de trabalho.

Mito: As pessoas que intimidam nascem assim.
Realidade: O bullying é um comportamento aprendido e os comportamentos podem ser mudados.

COMO APOIAR UMA CRIANÇA VÍTIMA DE BULLYING?

Saber que uma criança está a ser intimidada pode ser perturbador. No entanto, deverá tentar manter a calma, já que reagir com impulsividade, como por exemplo, invadir a escola para pedir uma explicação poderá ser o pior a fazer. É importante que pense que, tal como aconteceu consigo, também a escola pode não saber da situação de intimidação, facto que não invalida que converse com os responsáveis, exija responsabilidades e encontrem uma intervenção integrada.

Assim, poderá apoiar a criança da seguinte forma:

• Peça à criança para lhe contar exactamente o que aconteceu e anote quem esteve envolvido, onde, quando e quantas vezes aconteceu

• Diga à criança que ela agiu correctamente ao contar-lhe o sucedido

• Acredite em tudo aquilo que a criança lhe contar

• Explique-lhe que a situação de intimidação não pode ser mantida em segredo, garantindo-lhe que vai ajudá-la a resolver o problema

• Diga-lhe que ela não é culpada pelo sucedido

• Exercite técnicas de auto-protecção com a criança, como, por exemplo, dizer “Não” firmemente e ir-se embora.

• Informe-se também sobre programas de autodefesa para crianças. Este tipo de actividades são especialmente recomendados para que as crianças adquiram mais auto-estima e confiança em si próprias e ao mesmo tempo aprendam tácticas de defesa pessoal apropriadas. Saiba mais em www.autodefesa.pt

• Explique-lhe como deve reagir, sem chorar nem mostrar transtorno, mas simplesmente ignorando o/a intimidador/a

• Explique-lhe como poderá reduzir as oportunidades de intimidação, como por exemplo, não levar objectos de valor para a escola, andar sempre em grupo, evitar ficar sozinho nos corredores ou balneários

• Encoraje a criança a desenvolver actividades nas quais é mais habilidosa, já que essa é uma forma de aumentar a sua auto-estima

• Fale com o/a professor/a e partilhe as suas preocupações. Pergunte-lhe, também, como é que a criança está inserida na turma e com o resto dos colegas ou se têm notado algum sinal que seja importante realçar É fundamental ter em conta que o Bullying é um problema público, de forma a retirar do isolamento as crianças e jovens sujeitos a este tipo de violência.




O QUE A ESCOLA DEVE SABER



 O QUE É QUE A ESCOLA PODE FAZER?

A escola tem um papel fundamental, tanto ao nível da prevenção como da intervenção.

É importante ter presente que:

• Todos somos responsáveis por promover um ambiente seguro para todas a crianças, para que estas possam desenvolver-se numa atmosfera descontraída e segura.

• O bullying e outros tipos de comportamentos violentos são inaceitáveis.

• Todos os profissionais, governantes, crianças e pais devem ter uma compreensão do bullying.

• Devem ser postos em prática e disseminados procedimentos para relatar acontecimentos intimidatórios.

• Todas as crianças devem ser informadas acerca da importância de contar a um adulto que estão a ser intimidadas e saber que se deve lidar com estes incidentes de uma forma imediata e eficaz.

Se uma criança lhe quiser contar uma situação de bullying deverá:

• Procurar um espaço tranquilo e pedir-lhe que ela lhe conte exactamente o que aconteceu.

• Acreditar em tudo o que a criança lhe contar e valorizar o facto dele o ter conseguido fazer.

• Dizer à criança intimidada que a culpa da intimidação não é dela e garantir que irá apoiá-la na resolução do problema.


PROCEDIMENTOS DE INTERVENÇÃO:

Numa situação de bullying deverá:

• Falar com as crianças envolvidas num espaço tranquilo e seguro.

• Relatar os incidentes à equipa.

• Nos casos de abusos mais sérios, os incidentes devem ser registados pela equipa.

• Os pais das crianças envolvidas devem ser informados e deve ser pedido para comparecerem numa reunião para discutir o problema.

• Se for necessário e apropriado, a polícia deve ser consultada.

• O comportamento intimidador e os traços ameaçadores devem parar imediatamente.

• Deve ser feita uma tentativa para apoiar o/a intimidador/a na alteração o seu comportamento.

• O/a intimidador/a deve pedir desculpa e ser responsabilizado/a pelo seu comportamento.

• Em situações mais graves deve ser considerada a suspensão ou mesmo a expulsão.

• Se possível, as crianças ou jovens devem reconciliar-se. É fundamental ter em conta que o Bullying é um problema público, de forma a retirar do isolamento as crianças e jovens sujeitos a este tipo de violência.






 Saiba mais sobre Bullying visitando o PORTAL Bullying em   http://www.portalbullying.com.pt/


4 de julho de 2014

IDOSOS: CONSELHOS PARA EVITAR SEREM VÍTIMAS DE CRIME




São cada vez mais os crimes praticados contra pessoas de idade avançada. Mas é principalmente na prevenção que todos devem investir. Leia atentamente os nossos conselhos e aprenda a evitar situações violentas. 

__________


LADRÕES FEREM IDOSO EM CASA 

"Um ex-emigrante de 70 anos foi roubado e agredido ontem de manhã na sua própria casa, no Luso, Mealhada, por três assaltantes que se fizeram passar por técnicos da PT. Depois de ganharem a confiança do proprietário, e já no interior da vivenda, apontaram-lhe uma pistola e deitaram-no por terra com alguns golpes de navalha. De acordo com fonte policial, os assaltantes levaram 750 euros em dinheiro, "tudo o que o senhor tinha em casa", e puseram-se em fuga numa carrinha branca."  – Correio da Manhã.

SEQUESTRADA E ROUBADA 

"Uma mulher de 75 anos foi assaltada na tarde de terça-feira, em Lisboa, por dois jovens que se fizeram passar por técnicos de manutenção de elevadores. Os gatunos mantiveram a idosa sequestrada até confirmarem os códigos dos cartões Multibanco e depois levantaram 100 euros e gastaram 400 em compras."  –   Correio da Manhã. 

__________



São cada vez mais os crimes praticados contra pessoas de idade avançada. Todos os dias os jornais noticiam casos de agressão, burla, roubo e até violações de que estas pessoas são vítimas. Para além da criminalidade urbana há também a chamada violência social que é cometida contra os mais velhos. É aquela que acontece dentro de casa com a própria família, em lares e outras instituições de acolhimento e até em estabelecimentos hospitalares.

Só agora começa a haver uma maior consciencialização social para a dimensão do problema, mas é urgente que se tomem medidas adequadas para se prevenirem as situações de violência e aumentar a segurança dos mais velhos. Se por um lado a classe politica tem aqui um papel determinante, por outro lado todos nós devemos contribuir para a solução do problema.

A violência não diz apenas respeito às vítimas, mas sim a todos, vizinhos, familiares e conhecidos devem denunciar às autoridades competentes qualquer forma de violência, incúria ou desrespeito de que tenham conhecimento. Maus-tratos físicos e psicológicos, negligência medicamentosa ou de saúde, abandono da família, furto e crimes sexuais são apenas exemplos dos crimes cometidos contra pessoas da terceira idade.

Com uma saúde razoável e estando atentos, o conhecimento por parte do idoso de alguns princípios de prevenção e autodefesa, podem colaborar para diminuir as possibilidades de serem assaltados e maltratados. As capacidades técnicas de autodefesa serão mais reduzidas numa pessoa de idade avançada, mas algumas poderão resultar surpreendentemente se houver algum vigor, determinação e precaução. Mas é principalmente na prevenção que todos devem investir. Leia atentamente os nossos conselhos e aprenda a evitar situações violentas.



ALVOS FÁCEIS


Em relação ao crime, o idoso pode acabar por se tornar o seu próprio inimigo. Grande parte dos assaltos a pessoas da terceira idade acontece devido a falta  de cuidado. Portas e janelas não estão correctamente fechadas e não são tomadas precauções em relação a estranhos.

Uma das piores ameaças para as pessoas de idade é no entanto aquela que acontece na rua. No típico roubo por esticão o ladrão agarra a carteira ou mala da vítima, empurra ou puxa e foge. As consequências físicas deste tipo de crime são muitas vezes as fracturas que acabam por ser muito mais graves do que a perda dos próprios valores.

É preciso ter um especial cuidado nos dias em que as pessoas vão receber as suas pensões. São alturas em que os criminosos procuram as suas vítimas por saberem que podem transportar quantias significativas. Para evitar correr o risco é melhor ter uma conta no banco ou mesmo nos correios em que se possa fazer um depósito directo. Obtenha algumas informações de como proceder para depositar o seu vale de pagamento. Não faça do dia de pagamento um passeio em que corre o risco de se converter num alvo ideal para assaltantes.

As medidas a adoptar para reduzir a ocorrência de alguns dos crimes mais frequentes contra pessoas de idade, passam por alguns procedimentos, dos quais salientamos três:

  –  Fechar portas e janelas à chave.

  –  Não levar mais dinheiro do que aquele que se pode perder sem grande inconveniente.

 –  Não usar malas ou carteiras de mão. Utilizar algibeiras nas calças, casacos, sobretudos ou, se necessário, colocar algibeiras suplementares no vestuário. É claro que mesmo assim podem vir a ser assaltados e roubados na rua, mas é menos provável que fiquem gravemente feridos como poderia acontecer se fossem vítimas de um assalto por esticão.


 O QUE DEVE FAZER 

Telefone frequentemente aos seus filhos, estabeleça visitas regulares e mantenha uma boa comunicação  com os seus familiares.

Seja sociável. Tenha uma genuína relação com os seus amigos e vizinhos. Eles podem ser o seu único apoio em determinadas situações. Cultive novos amigos e participe em actividades sociais. Não se isole.  

Adopte o hábito de ligar as luzes, correr os cortinados e fechar as portas e janelas à chave quando se vai deitar.

Quando viaja em transportes públicos procure evitar horas de ponta e apertos onde lhe podem roubar facilmente a carteira. No autocarro é sempre mais seguro sentar-se num lugar perto do motorista.

Quando anda às compras é uma boa ideia ter o dinheiro separado. Isto é, o dinheiro para os transportes e pequenas despesas deve ser guardado em separado de outras quantias mais avultadas que necessite transportar. Deste modo, para além de não se arriscar a perder o dinheiro, caso seja assaltado não lhe levarão o dinheiro todo.

Ao voltar para casa, tenha as chaves à mão e não fique muito tempo à porta.  

Se tem que sair de noite é melhor ser acompanhado por um familiar ou amigo. Assim vai diminuir consideravelmente as probabilidades de ser vítima de assalto.

Tenha muita cuidado com situações que envolvem empréstimos de dinheiro. Deve verificar as referências de qualquer pessoa que lhe proponha um negócio, seja ele qual for. Tenha uma atenção especial quando lhe querem impingir cartões de crédito ou seguros. Procure obter conselhos de um especialista antes de assinar qualquer contrato ou fazer uma despesa que envolva grandes somas. 

Desconfie das ofertas enviadas pelo correio. Elas são apenas um chamariz e a intenção é outra. Se lhe telefonarem a dizer que ganhou um prémio (seja uma viagem ou outra coisa qualquer), depois de lhe fazerem duas ou três perguntas (que até o seu neto de 3 anos saberia responder), não acredite e desligue simplesmente o telefone.

Se algum estranho lhe bater à porta dizendo que é de uma empresa de serviços públicos (Telefones, TV Cabo, Electricidade, Água), ou de outra  empresa qualquer, mesmo que esteja fardado, exija sempre que a pessoa se identifique e verifique bem se o cartão é autêntico e a fotografia corresponde à cara da pessoa. Os bons modos, uma boa apresentação ou um uniforme não chegam. Precisa ter muito cuidado com estas situações. Em caso de dúvida telefone para a empresa que dizem representar, ou ligue para a polícia. Ao atender a pessoa, mantenha a corrente de segurança ou similar instalada na sua porta.

Não se deixe enganar por supostos mestres, professores, astrólogos, tarólogos, médiuns, videntes e de outras artes afins. (Especialmente africanos e não só…que enchem as páginas dos jornais e revistas de anúncios com as suas próprias fotos…e prometem felicidade, curas, amor e riquezas…) Assim como de seitas religiosas que lhe dizem que tem de contribuir monetariamente para agradar a Deus. Todos eles querem apenas duas coisas de si: o seu dinheiro e, mais uma vez, o seu bendito dinheiro.


O QUE DEVE EVITAR


Não pare para conversar com estranhos e evite os carros estacionados com o motor ligado.

Não chame a atenção onde quer que esteja. Vista-se discretamente e evite exibir dinheiro ou usar jóias de valor.

Não leve bolsas ou malas de mão e, se levar alguma, nunca a perca de vista nem a largue.

Afaste-se de grupos de adolescentes, bem como ruas e estradas isoladas e com pouco trânsito.

Evite entrar no elevador com pessoas desconhecidas.

Não tenha grandes somas de dinheiro em casa.

Não queira ser herói, em caso de assalto, entregue os objectos de valor. A   sua vida é o bem mais precioso.


 NÃO HESITE EM PEDIR AJUDA

Se precisar de ajuda, peça-a. Não espere que alguém venha em seu auxílio. A espera pode atrair alguém que procure objectos de valor para roubar. Sempre que possível a família deve ser a sua referência principal de ajuda. Se vai pensar que pode “ser um peso” para os seus filhos, lembre-se que também os ajudou quando eles precisaram de si.

Não se esqueça que o 112 é o número nacional de emergência. Pode também pedir auxílio numa esquadra da polícia, na corporação de bombeiros e até numa loja onde seja cliente. Assim como no centro de saúde da sua residência, nos serviços de urgência dos hospitais e nos organismos de assistência a vítimas.

Se for vítima de um crime, participe-o. Todos nós agradecemos. Mesmo que a polícia não consiga apanhar os assaltantes, a partir do momento que sabem da existência de um maior número de assaltos em determinada localidade sempre podem reforçar a vigilância.

Metade dos crimes de que são vítimas as pessoas de idade nunca são participados. Isso acaba por trazer benefícios mais para o lado dos criminosos. Logicamente, um assaltante não pode ser preso se a polícia não souber que foi cometido um crime. Portanto, participe sempre qualquer crime de que seja vítima.




CONTACTOS



APAV – Associação Portuguesa de Apoio à Vítima
707 20 00 77
10 – 13h / 14 – 17h (Dias úteis)


112 Número Nacional de Socorro

144 Linha Nacional de Emergência Social

NDPL - Núcleo de Defesa Pessoal de Lisboa
(Autodefesa e Prevenção do Crime)
965 325 822